Obra no Pilarzinho entra na etapa final

Serviços de drenagem, perfilamento e implantação de galerias celulares estão adiantados e devem ser entregues até maio

Hully Paiva/SMCS
Hully Paiva/SMCS
Hully Paiva/SMCS
Hully Paiva/SMCS
Hully Paiva/SMCS
Hully Paiva/SMCS
Hully Paiva/SMCS
Hully Paiva/SMCS
Hully Paiva/SMCS
Hully Paiva/SMCS
Hully Paiva/SMCS
Hully Paiva/SMCS
Hully Paiva/SMCS
Hully Paiva/SMCS
Hully Paiva/SMCS

O Rio Pilarzinho está recebendo desde junho de 2020 serviços de drenagem, perfilamento e implantação de galerias celulares. A obra se estende por 920 metros do leito do rio, do Bom Retiro até Mercês, e será concluída antes do prazo fixado para execução do trabalho, que seria em setembro deste ano.

Coordenadas pela Secretaria Municipal de Obras Públicas, as intervenções se concentravam nesta quinta-feira (11/2) na Rua Henrique Itiberê da Cunha, no trecho entre as ruas Albino Silva e Tapajós, no Bom Retiro. Nos trechos de rio entre as ruas Júlio Perneta e Teffé e entre as ruas Nilo Peçanha e Albino Silva, os trabalhos já foram concluídos. 

Segundo o secretário municipal de Obras Públicas, Rodrigo Rodrigues, os serviços estão bem adiantados e devem ser concluídos em três meses.  

“Acredito que até maio a obra será finalizada. Além do trabalho no Rio Pilarzinho, também executamos serviços no pavimento das ruas e calçadas afetadas pela intervenção”, disse Rodrigo Rodrigues. 

O rio recebeu ação de perfilamento e foi alargado. O canal do curso de água está sendo feito em concreto armado e são implantadas seis galerias pré-moldadas que farão a função de caixas de contenção. Essas estruturas são dispositivos de controle de cheias, que aumentam as seções de vazão com a finalidade de reter a água e minimizar o risco de enchentes. 

Com a concretagem do canal, as estruturas resolvem também os problemas de erosão e facilitam a manutenção do sistema de drenagem do rio, que terá diminuído seu potencial de causar enchentes.  

Problema antigo

Com residência na Rua Henrique Itiberê da Cunha há 24 anos, Mirian Ferracini perde o sono quando a chuva aumenta. Sua casa foi alagada várias vezes pelas cheias do Rio Pilarzinho. No pior momento, a coluna de água atingiu 50 centímetros gerando prejuízos como a perda de móveis.

“O transtorno provocado pela obra não é nada diante da esperança de que o problema com os alagamentos será solucionado. Tenho fé que será resolvido”, apontou Mirian Ferracini.   

As obras contam com o investimento de R$ 9.124.348,58 do programa Curitiba Contra Cheias e tornarão mais seguras contra alagamentos as áreas que margeiam o Rio Pilarzinho e a jusante, causando também impacto positivo sobre a correnteza do Rio Belém, onde deságua o Rio Pilarzinho.

Compartilhe nas redes sociais

Mais notícias

Curitiba volta para a bandeira laranja

Os dados divulgados diariamente pela Secretaria Municipal de Saúde mostram que as restrições impostas pela bandeira vermelha surtiram efeito

Campo de Santana terá bloqueio de trânsit ...

Passagem de veículos permanecerá interrompida pelos próximos quatro meses

Fiscalização multa pessoas e comércios

Participar de aglomerações e não usar máscara são as infrações mais recorrentes

Limite de 50 km/h será o padrão na cidade

Projeto tem objetivo de reduzir a gravidade dos acidentes de trânsito