Inclusão e respeito ao pedestre no trânsito

Ações do poder público já contribuíram para a redução de 46,5% dos acidentes com morte na cidade

  • Agentes de trânsito e guardas municipais estão desenvolvendo uma ação de respeito do motorista em cruzamentos não semaforizados com faixas de pedestres. 
Curitiba, 02/09/2019.
Foto: Divulgação
  • Agentes orientam sobre inclusão de pessoas com deficiência visual no trânsito. Curitiba, 13/09/2019.
Foto: Levy Ferreira/SMCS
  • Agentes de trânsito e guardas municipais estão desenvolvendo uma ação de respeito do motorista em cruzamentos não semaforizados com faixas de pedestres. 
Curitiba, 02/09/2019.
Foto: Divulgação
  • Agentes de trânsito e guardas municipais estão desenvolvendo uma ação de respeito do motorista em cruzamentos não semaforizados com faixas de pedestres. 
Curitiba, 02/09/2019.
Foto: Divulgação
  • Agentes orientam sobre inclusão de pessoas com deficiência visual no trânsito. Curitiba, 13/09/2019.
Foto: Levy Ferreira/SMCS


 

Mais de 55 mil pessoas participaram das ações educativas encabeçadas pela Escola Pública de Trânsito durante o ano de 2019. Três temas nortearam as atividades desenvolvidas por agentes de trânsito e guardas municipais: a empatia, a inclusão e o respeito ao pedestre. 

“Tradicionalmente, Curitiba é referência nacional para áreas diversas. Mas algo que ainda temos um longo caminho a percorrer é o respeito do motorista ao pedestre”, destaca a superintendente de Trânsito, Rosangela Battistella. 

Com esse objetivo, durante meses equipes da Secretaria de Defesa Social e Trânsito se revezaram nas faixas de pedestres em cruzamentos diversos da cidade, para abordar motoristas e conversar sobre a prioridade a ser concedida para quem precisa atravessar a rua. Além disso, cerca de 3,7 mil faixas de pedestres foram pintadas, por toda a capital.

“Às vezes falta se colocar no lugar do outro. O pedestre é o elo mais fraco no trânsito e, por isso, precisa ser protegido por motoristas, motociclistas e, inclusive, por ciclistas”, afirma Rosangela.

 

Com o olhar voltado para essa questão, a Prefeitura lançou o programa Trânsito para Todos. Focado na empatia e na inclusão, as atividades integrantes são divididas em cinco vertentes: para pessoas com deficiência física, pessoas com deficiência intelectual, cegos, surdos e pessoas sem deficiência.

O Trânsito Para Todos tem parceria com instituições voltadas para estes públicos em específico como a Apae, o Instituto Paranaense de Cegos e a Associação dos Deficientes Físicos do Paraná. Numa fase inicial, os agentes da EPTran fizeram reuniões e palestras com representantes dessas entidades para sanar dúvidas e se preparar para o desenvolvimento do trabalho.

O lançamento do personagem Tiba, que vai continuar dando dicas de trânsito com a sua “voz da consciência”, também está atrelado a esse planejamento voltado à empatia. 

“Estamos no caminho certo e a redução de 46,5% nas mortes no trânsito de Curitiba, de 2011 a 2018, reforça essa conclusão”, aponta Rosangela. A cidade está próxima de atingir a meta proposta pelo Programa Vida no Trânsito, chancelado pela ONU, com o compromisso de diminuir em 50% os acidentes fatais no trânsito, até 2020.

“O resultado é atingido a partir da estruturação de ações em áreas de educação, e também de intervenções de engenharia de trânsito e de fiscalização”, explica a superintendente.

Leia mais

Compartilhe nas redes sociais

Mais notícias

Av. Getúlio Vargas tem nova estrutura cic ...

Por toda a cidade, já foram investidos R$ 920 mil na revitalização e ampliação de ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas.

Conheça as diferenças entre ciclovia e ci ...

espaços sinalizados utilizados pelos ciclistas têm denominação distinta, conforme definido pelo Código de Trânsito Brasileiro

Meditação pode integrar atividades de ser ...

Ideia está sendo estudada pela administração municipal

Rua do Cajuru recebe obras de realinhamen ...

A obra faz a correção geométrica da via e é uma das etapas para a transformação da Rua Niterói em parte de um binário com a Rua Sebastião Marcos Luiz.