Valdecyr está sempre de olho na sinalização

Servidor diz que não faz corpo mole na hora de implantar placas ou fazer a pintura para a segurança de motoristas e pedestres

Levy Ferreira/SMCS
Levy Ferreira/SMCS
Levy Ferreira/SMCS
Levy Ferreira/SMCS
Levy Ferreira/SMCS
Levy Ferreira/SMCS
Levy Ferreira/SMCS
Levy Ferreira/SMCS
Levy Ferreira/SMCS
Levy Ferreira/SMCS
Levy Ferreira/SMCS
Levy Ferreira/SMCS
Levy Ferreira/SMCS
Levy Ferreira/SMCS
Levy Ferreira/SMCS

Boa parte da sinalização de trânsito de Curitiba - placas, pintura, tachões e tartarugas - foi implantada por uma equipe disciplinada coordenada pelo empregado público Valdecyr Alves Duarte, de 54 anos, que também põe a mão na massa quando precisa. Ele lidera uma das quatro equipes da Superintendência de Trânsito que fazem o serviço.

“Sou motorista, operador de máquina, encarregado. Seguimos tudo conforme a ordem de serviço, que indica como deve ser implantada cada sinalização. Mas se alguma sinalização tiver problema devido à instalação, eu respondo por ela”, conta Valdecyr. As placas têm sempre a indicação de qual equipe fez o serviço.

Ele começou a trabalhar na Urbs como motorista há 17 anos. “Já comecei na pintura das ruas, na sinalização. Aos poucos, fui aprendendo a fazer o serviço e nunca mais saí. Confesso que, antes, apenas como motorista, não tinha ideia da importância da sinalização de trânsito”, revela.

O servidor que hoje está cedido para a Superintendência de Trânsito da Secretaria de Defesa Social e Trânsito diz que não faz corpo mole. “Saio pra trabalhar e faço com muito carinho, com gosto, porque sei que o meu trabalho beneficia muita gente, direta e indiretamente. A sinalização protege motoristas e pedestres”, declara.

Ele já teve a oportunidade de mudar de área, mas diz que gosta mesmo é de trabalhar na rua.

“A gente também atende o cidadão, só que na rua. Já recebemos críticas da população. Mas muita gente vem elogiar, agradecer. Quando precisa, eu explico certinho por que a sinalização é desta ou de outra forma, tudo dentro da lei e conforme foi planejado pelos engenheiros”, detalha.

Olhar atento

Mesmo quando não está trabalhando, Valdecyr mantém o olhar atento na sinalização.

“Se tem alguma coisa que vejo que pode ser melhorada, mesmo que eu esteja de folga, fotografo e mostro para a minha chefia”, diz Valdecyr.

Sandra Mara Bueno, que integra a equipe de Valdecyr há sete anos, diz que já sabe o jeito do líder do grupo. “A gente se entende bem”, contou ela, durante a implantação das placas com limite de velocidade de 30 km/h na Rua Desembargador Westphalen, entre as ruas Professor Plácido e Silva e Professor Leônidas Ferreira da Costa, no Parolin.

“Antes da travessia elevada, o limite é sempre de 30. Mesmo que poucos metros à frente tenha fiscalização eletrônica com limite de 40 km/h, como é o caso aqui”, explica o servidor.

Valdecyr não se arrepende de ter feito o concurso e ingressado no serviço público. “Eu queria ser motorista, faço o que gosto, sou gratificado pelo meu trabalho e tenho estabilidade”, comemora. “Creio que meus superiores também estão satisfeitos. Nesses 17 anos, tive muitas chefias diferentes”, conta.

Compartilhe nas redes sociais

Mais notícias

Opções de desvio da Victor Ferreira do Am ...

Enquanto durarem as obras, trânsito pode ficar mais carregado na divisa de Curitiba com Pinhais.

Começa o cadastro para o EstaR eletrônico

O usuário poderá adquirir créditos de estacionamento em via pública pelos aplicativos e em estabelecimentos comerciais credenciados para fazer a venda

Inclusão e respeito ao pedestre no trânsi ...

Ações do poder público já contribuíram para a redução de 46,5% dos acidentes com morte na cidade

Fiscalizações deixam o trânsito mais segu ...

Imprudência e desrespeito à sinalização são condutas que mais causam acidentes graves, de acordo com análise do Programa Vida no Trânsito (PVT)